Apesar de discussões, Wesley aponta união como diferencial do São Paulo

78

GazetaEsportiva.net

(Foto: Fernando Dantas/GazetaPress)
Wesley crê na maturidade dos são-paulinos para superar discussões nos treinos e jogos (Foto: Fernando Dantas/GazetaPress)

Os jogadores do São Paulo têm se desentendido com frequência nessa temporada. Discussões dentro dos vestiários, nos treinos e após os jogos já chamaram a atenção da torcida nesse ano. Mas, para o volante Wesley, os entreveros não passam de questões pontuais. O atleta valorizou o comprometimento que existe com a equipe e destacou a união do elenco como o diferencial do Tricolor em 2016.

“No treino tem umas chegadas mais fortes, uns arranca rabos, mas é bom continuar assim para criar dúvidas no técnico”, disse. “Todo mundo quer jogar. Quem está no banco quer entrar, quem está jogando quer se manter. Ninguém está de sacanagem ou brincadeira. Se quisermos conquistar algo, precisamos focar no grupo. Estamos trabalhando bastante e seguimos unidos para todo mundo ter êxito no final”.

Wesley protagonizou uma das confusões do São Paulo no ano. Ele não gostou de uma entrada mais forte de Lyanco e discutiu com o zagueiro durante um treinamento no CCT da Barra Funda. A última discussão entre os tricolores ocorreu no último domingo, após a vitória por 1 a 0 sobre o Palmeiras. Os atletas se encaminhavam para os vestiários do Morumbi quando Rogério se revoltou ao ouvir uma cobrança mais áspera do defensor Maicon e iniciou um novo entrevero.

O técnico Edgardo Bauza já declarou diversas vezes que aprova o comportamento explosivo dos jogadores. “Fico encantado que eles tenham brigado, gosto muito. Mostra que tenho atletas que querem vencer”, disse o Patón, após tomar conhecimento do ocorrido entre Rogério e Maicon.

Segundo Wesley, o grupo tem maturidade suficiente para superar quaisquer desavenças que possam surgir com as discussões. O jogador crê que os momentos de dificuldade só serão superados caso todos permaneçam unidos e comprometidos com o projeto que Bauza traçou para o São Paulo nesse ano.

“Se não nos ajudarmos, ninguém mais virá aqui para fazer algo do tipo. Nós torcemos um pelo outro, não gostamos que nenhum jogador passe por uma situação ruim. Queremos um final de ano bom. Todos passam por alguma dificuldade, seja um atleta mais novo ou mais experiente, mas está todo mundo atrás do objetivo de ajudar o São Paulo. Ficamos tristes quando alguém sofre um questionamento, mas todos estão bem unidos. Se isso acontecer, os jogadores se abraçarão e darão a volta por cima”, concluiu.