Cuca explica pedido de demissão: “Meu estilo não casou com o do São Paulo”

281

GloboEsporte

Eduardo Rodrigues, Felipe Ruiz e Marcelo Hazan

Técnico deixa o comando do Tricolor após cinco meses no cargo: “Que venha outro profissional para tirar mais”.

Cuca concedeu entrevista coletiva na tarde desta quinta-feira para explicar os motivos que o levaram a pedir demissão do São Paulo. O treinador ficou apenas cinco meses no cargo, saindo com aproveitamento de 47,4% de aproveitamento, em 26 jogos: nove vitórias, dez empates e sete derrotas. O mais provável agora é que o coordenador Vagner Mancini assuma a equipe – já é certo que ele comandará o São Paulo neste sábado, contra o Flamengo, no Maracanã.

– Não sei te dizer ao certo qual o problema. Se eu soubesse qual o problema, eu falava. Vocês bateram muito no padrão de jogo. Eu queria explicar que todo ser humano tem sua característica, eu tenho a minha. Qual é a característica do Cuca? Eu gosto de marcação na frente, rápido. Não gosto de time que tem morosidade. Às vezes, ser mais objetivo. Infelizmente o meu estilo não casou com o estilo do São Paulo. Não combinou. Não é por isso que eles não são bons, eles são ótimos. Mas não encaixou. Eu falei para o Raí e Pássaro (dirigentes do São Paulo), por isso que saí. Teve uma ideia de falarmos com você e foi entendido. Você acha que eles estão contente e eu também? Como falei com os jogadores eles vão vingar e vão dar uma arrancada – disse Cuca, que relatou ter sido ofendido pela primeira vez na carreira.

– Lógico que estou muito triste, esperei 15 anos para estar aqui de novo. Como vou estar feliz? É a primeira vez em todos os clubes no futebol que eu fui xingado. É a pior coisa que existe, dói demais. Até dei risada de uma cara que me chamou de cabelo de boneca. Dói. Passei duas vezes em Flamengo, Fluminense, Galo, Santos e isso dói demais. A ideia de ir embora lógico que não é só minha. Se perguntar para maior parte da torcida, eles também queriam. Às vezes não é ser bom ou ruim. A minha vida vai continuar a amanhã ou depois estarei em outro clube – disse Cuca.

Cuca explica saída do São Paulo: "Não estou pensando em mim, e sim no São Paulo"

Cuca explica saída do São Paulo: “Não estou pensando em mim, e sim no São Paulo”

Mancini interino

Raí, executivo de futebol do São Paulo, confirmou que Vagner Mancini, gerente de futebol, comandará o time no sábado, contra o Flamengo, no Maracanã, pela 22ª rodada do Campeonato Brasileiro.

– Mancini é quem vai comandar a equipe contra o Flamengo e vamos ter mais tempo para falar quem será o treinador e avisar a todos – disse Raí.

Coletiva de Cuca e Raí no CT do São Paulo nesta quinta-feira — Foto: Marcelo Hazan

Coletiva de Cuca e Raí no CT do São Paulo nesta quinta-feira — Foto: Marcelo Hazan

– Não dá para definir em poucas palavras. Não é o ideal, lógico que assumimos a culpa em parte disso. Em um clube grande, que passa muito tempo sem vencer, para sair existe uma cultura desse clube vencedor. Passa boa parte sem vencer e passa por isso – completou o dirigente, sobre as constantes trocas de treinador (Cuca foi o quinto em um ano e nove meses).

Os bastidores da saída de Cuca

A decisão foi do treinador. A diretoria do São Paulo ainda tentou reverter a situação e convencer Cuca que era melhor a permanência neste momento. O técnico, no entanto, estava convicto de que não conseguia fazer uma evolução na equipe e pediu demissão. Raí foi à sala de imprensa, ao lado de Cuca, para dar a posição da diretoria do São Paulo, citando que, após a derrota para o Goiás, na quarta-feira, já havia falado com o treinador.

– Reforçamos a nossa confiança e hoje, na chegada ao CT, o Cuca nos comunicou algo que ele que vai transmitir a vocês. Vocês já têm a repercussão. Um momento que não é agradável, triste – disse Raí.

Quem deve ser o novo técnico do São Paulo?

A parte emocional também pesou para que Cuca de despedisse. Ele não estava contente com a pouca evolução do São Paulo nesses últimos jogos. Há a possibilidade do treinador conceder entrevista coletiva ainda nesta quinta-feira.

O cenário piorou após os resultados recentes: o Tricolor conquistou apenas cinco dos últimos 18 pontos. Foram três derrotas (Goiás, Internacional e Vasco), dois empates (Grêmio e CSA) e somente uma vitória (Botafogo). Tudo isso somado ao desempenho do time aumentou a pressão sobre Cuca.

Desde o começo de 2018 passaram pelo cargo de técnico do São Paulo Dorival Júnior, Diego Aguirre, André Jardine e Cuca, além do próprio Vagner Mancini como interino.

A cobrança interna do São Paulo no Brasileirão é ficar entre os três primeiros. Com 35 pontos, o Tricolor viu o líder Flamengo disparar (48 pontos) – Palmeiras (42) e Santos (37) jogam nesta quinta-feira, enquanto o jogo do Corinthians foi adiado.

O time não alcançou a meta inicial de 38 pontos para o primeiro turno (terminou com 32) e a avaliação é de que o trabalho deveria ter um rendimento melhor. A cobrança sobre Cuca também existia pelo nível de contratações como Alexandre Pato, Pablo, Daniel Alves e Hernanes.

Depois da derrota para o Goiás, Cuca disse que não se sentia confortável e que nem a diretoria estava. O treinador, o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, e alguns jogadores foram alvos de protestos liderados pelas torcidas organizadas.

O São Paulo agora enfrentará o líder Flamengo, sábado, no Maracanã. Toró (sentiu lesão na coxa esquerda) e Alexandre Pato (estiramento na coxa direita) são baixas certas. Hernanes, por outro lado, cumpriu suspensão e volta a ficar à disposição.

Cuca pediu para sair do São Paulo — Foto: Marcos Ribolli