Crespo dedica vitória ao massagista do São Paulo: “Ele esteve muito mal”

185

GazetaEsportiva

O técnico Hernán Crespo fez questão de dedicar a vitória do São Paulo sobre o Racing, por 3 a 1, nesta terça-feira, na Argentina, ao massagista do São Paulo, Marcelo Silva, mais conhecido como Marcelinho, que passou mal durante a partida contra o Fortaleza, no último fim de semana, pelo Campeonato Brasileiro.

Classificado para as quartas de final da Libertadores, o comandante tricolor não se esqueceu do profissional, que segue se recuperando de uma crise convulsiva.

“A gente sabe perfeitamente o que precisamos para continuar essa situação de construção. Realmente estou muito feliz por tudo o que aconteceu durante o jogo, mas quero aproveitar para dedicar essa vitória ao nosso companheiro de trabalho, Marcelinho. Ele esteve muito mal no jogo passado, agora está saindo dessa situação. Para nós, é muito importante que um companheiro de trabalho esteja bem. Então, estamos dedicando essa vitória para ele”, afirmou Crespo.

Publicidade

Marcelinho foi levado a um hospital próximo ao estádio do Morumbi em uma ambulância, passou por exames neurológicos e, posteriormente, foi encaminhado para sua residência, onde segue se recuperando da crise convulsiva. Ainda não se sabe quando o profissional retornará às atividades.

Pressionado com o momento conturbado da equipe, que beira a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro, o técnico Hernán Crespo poderá respirar mais aliviado nos próximos dias com a classificação para as quartas de final da Copa Libertadores, o que não acontecia desde 2016, quando o time chegou até as semis.

“Estamos muito contentes por passar às quartas de final. Já fizemos algo que nos últimos cinco anos não havia ocorrido no São Paulo, que era chegar às oitavas de final. Agora melhoramos isso. Depois, jogamos da maneira que acreditávamos que devíamos jogar. Somos uma equipe que gosta de ter a bola. Tivemos gente que pôde roubar a bola e jogar de forma vertical. Estamos construindo uma equipe que pode jogar no contragolpe ou com a bola nos pés. No meio há uma construção que é fruto do dia a dia. Estamos juntos há cinco meses. Estou contente pela produção da equipe”, concluiu.

Leia também

1 COMENTÁRIO