Terças Tricolores – A realidade bateu

843

Antes de qualquer coisa, isso não é uma crítica a nenhuma esfera que, hoje, atua no São Paulo Futebol Clube. Também não é uma visão derrotista do que ainda resta do nosso ano futebolístico, mas é uma opinião de alguém que tentou deixar o lado torcedor de lado e que não escreveu nas últimas semanas pensando na melhor maneira de falar sobre o tema.

A verdade, que todos nós tentamos não enxergar, é a que não temos elenco para conquistar o título do campeonato brasileiro. Nosso time titular é muito bom e tem condições de brigar lá em cima, mas o nosso elenco, quando foi acionado, respondeu muito mal às nossas necessidades. É bem verdade que, por alguns jogos, deu certo rodar o pequeno elenco que temos em mãos. Mas, com o calendário apertado, suspensões e lesões, as nossas opções ficaram escassas e o processo começou a desandar.

Sem o Everton, melhor jogador do campeonato, nossas chances caíram bastante e perdemos pontos contra adversários muito mais fracos. Ao mesmo tempo em que isso aconteceu, os rivais subiram de rendimento, os porcos tiveram o fator Felipão e o Inter foi ajudado por diversas vezes pela arbitragem.

Tudo isso culminou com a perda da liderança. Chegamos à fase decisiva do campeonato, jogando contra dois adversários diretos, onde estamos com o nosso pior rendimento no campeonato. Precisaremos, como diz o título da coluna, de um milagre.

Jogamos contra um Palmeiras que vive seu melhor momento técnico. É bem verdade que caiu para o Cruzeiro, mas que vem jogando um bom futebol e vencendo adversários de qualquer qualidade. Da mesma forma, pegaremos um Internacional que, se não é tão bom tecnicamente como o Palmeiras, vem forte e possui mais opções ofensivas que o nosso elenco. De maneira geral, quero dizer que aposto apenas em uma vaga no G4.

E isso não é demérito nenhum. Não estou conformista, repito, mas analisando a situação de um clube que quase caiu no ano passado e, esse ano, com uma gestão séria e pouco dinheiro, está entre os melhores times do Brasil. O trabalho feito por Raí, RR e Lugano é fantástico e o Aguirre tem todos os méritos pelo São Paulo estar onde está, mas o elenco claramente tem limites e parece que chegamos a ele. Não dá para cobrar de um carro 1.0 um rendimento de um 2.0.

É possível que eu esteja errado e sejamos campeões? Claro que é, futebol é imprevisível, mas os últimos jogos e o rendimento recente do SPFC não mostram esse caminho. Estou satisfeito em perder a liderança para o rival? Claro que não, óbvio que não, mas os caras possuem dois times, com reservas para as duas posições e nós não e isso precisa ficar BEM claro.

É preciso planejar o ano que vem para buscar voos maiores. Ninguém é campeão de um ano para o outro, ainda mais com a confusão absurda que o nosso time vem passando nos últimos anos. Também acho uma completa idiotice começarem a pedir a troca de técnico. Se estamos onde estamos é muito por causa do Aguirre e, com uma pré-temporada, aliada a contratações que o agradem, tenho certeza que poderemos almejar coisas maiores em 2019.

Torcerei até o último momento pela nossa vitória, em todos os jogos, como sempre fiz, mas tenho a ciência de que, talvez, estejamos no limite do que esse elenco pode oferecer.

É isso!

Comentários ou reclamações?

@Abroliveira ou [email protected]

Abrahão de Oliveira é jornalista, formado pela Universidade Metodista de São Paulo, dono da @spinfoco e são-paulino desde que se conhece por gente. 

1 COMENTÁRIO

  1. Gostaria de lembrar que o Fora Aguirre falou que estava satisfeito vom o elenco que tinha em mãos e que não precisava de mais ninguém.
    O mesmo fora Aguirre bancou o Alfacidão no gol mesmo ele entregando o ouro
    Bancaram o Rodrigo eu não Caio nessa
    Diego improvisado Souza no ataque
    Apenas Nenê na meia

    Isso foi falta de planejamento