Terças Tricolores – A realidade bateu

852

Antes de qualquer coisa, isso não é uma crítica a nenhuma esfera que, hoje, atua no São Paulo Futebol Clube. Também não é uma visão derrotista do que ainda resta do nosso ano futebolístico, mas é uma opinião de alguém que tentou deixar o lado torcedor de lado e que não escreveu nas últimas semanas pensando na melhor maneira de falar sobre o tema.

A verdade, que todos nós tentamos não enxergar, é a que não temos elenco para conquistar o título do campeonato brasileiro. Nosso time titular é muito bom e tem condições de brigar lá em cima, mas o nosso elenco, quando foi acionado, respondeu muito mal às nossas necessidades. É bem verdade que, por alguns jogos, deu certo rodar o pequeno elenco que temos em mãos. Mas, com o calendário apertado, suspensões e lesões, as nossas opções ficaram escassas e o processo começou a desandar.

Sem o Everton, melhor jogador do campeonato, nossas chances caíram bastante e perdemos pontos contra adversários muito mais fracos. Ao mesmo tempo em que isso aconteceu, os rivais subiram de rendimento, os porcos tiveram o fator Felipão e o Inter foi ajudado por diversas vezes pela arbitragem.

Tudo isso culminou com a perda da liderança. Chegamos à fase decisiva do campeonato, jogando contra dois adversários diretos, onde estamos com o nosso pior rendimento no campeonato. Precisaremos, como diz o título da coluna, de um milagre.

Jogamos contra um Palmeiras que vive seu melhor momento técnico. É bem verdade que caiu para o Cruzeiro, mas que vem jogando um bom futebol e vencendo adversários de qualquer qualidade. Da mesma forma, pegaremos um Internacional que, se não é tão bom tecnicamente como o Palmeiras, vem forte e possui mais opções ofensivas que o nosso elenco. De maneira geral, quero dizer que aposto apenas em uma vaga no G4.

E isso não é demérito nenhum. Não estou conformista, repito, mas analisando a situação de um clube que quase caiu no ano passado e, esse ano, com uma gestão séria e pouco dinheiro, está entre os melhores times do Brasil. O trabalho feito por Raí, RR e Lugano é fantástico e o Aguirre tem todos os méritos pelo São Paulo estar onde está, mas o elenco claramente tem limites e parece que chegamos a ele. Não dá para cobrar de um carro 1.0 um rendimento de um 2.0.

É possível que eu esteja errado e sejamos campeões? Claro que é, futebol é imprevisível, mas os últimos jogos e o rendimento recente do SPFC não mostram esse caminho. Estou satisfeito em perder a liderança para o rival? Claro que não, óbvio que não, mas os caras possuem dois times, com reservas para as duas posições e nós não e isso precisa ficar BEM claro.

É preciso planejar o ano que vem para buscar voos maiores. Ninguém é campeão de um ano para o outro, ainda mais com a confusão absurda que o nosso time vem passando nos últimos anos. Também acho uma completa idiotice começarem a pedir a troca de técnico. Se estamos onde estamos é muito por causa do Aguirre e, com uma pré-temporada, aliada a contratações que o agradem, tenho certeza que poderemos almejar coisas maiores em 2019.

Torcerei até o último momento pela nossa vitória, em todos os jogos, como sempre fiz, mas tenho a ciência de que, talvez, estejamos no limite do que esse elenco pode oferecer.

É isso!

Comentários ou reclamações?

@Abroliveira ou [email protected]

Abrahão de Oliveira é jornalista, formado pela Universidade Metodista de São Paulo, dono da @spinfoco e são-paulino desde que se conhece por gente. 

1 COMENTÁRIO

  1. Gostaria de lembrar que o Fora Aguirre falou que estava satisfeito vom o elenco que tinha em mãos e que não precisava de mais ninguém.
    O mesmo fora Aguirre bancou o Alfacidão no gol mesmo ele entregando o ouro
    Bancaram o Rodrigo eu não Caio nessa
    Diego improvisado Souza no ataque
    Apenas Nenê na meia

    Isso foi falta de planejamento

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor entre com seu comentário!
Entre seu nome aqui

17 − 15 =