Apostas derrapam, e Jardine tem apenas mais um treino antes de decisão

922

UOL

  • DIEGO LIMA / AFP

O São Paulo se aproxima do jogo decisivo contra o Talleres, pela Libertadores, com mais dúvidas do que certezas. O técnico André Jardine reconheceu que usou a partida contra a Ponte Preta no último sábado (9) como uma espécie de laboratório para o jogo contra os argentinos, mas as apostas feitas em Campinas não renderam o esperado. Sem tempo para fazer grandes mudanças de última hora, já que só tem mais um treino, o comandante terá que fazer decisões cruciais para a partida desta quarta-feira (13), no Morumbi.

Na derrota por 1 a 0 para a Ponte, Jardine trouxe algumas novidades. Hernanes, que até então vinha sendo um meia mais próximo do ataque, atuou como segundo volante. O garoto Antony, de 18 anos, destaque da Copa São Paulo em janeiro, foi titular pela primeira vez no ataque. E a principal preocupação coletiva foi manter a concentração defensiva até o final, depois de levar dois gols do Talleres no segundo tempo do jogo de ida.

As experiências não foram bem. Como volante, Hernanes influenciou pouco a partida. O camisa 15 atuou longe da área adversária e praticamente não incomodou a defesa da Ponte. Mais atrás, ele tentou chamar o jogo, mas distribuiu passes pouco efetivos e praticamente não combinou com Nenê, que atuou como o meia mais ofensivo. Além disso, Willian Farias ficou sobrecarregado na proteção da defesa em alguns momentos.

O próprio Hernanes afirmou no intervalo do jogo que, jogando como volante, fica mais difícil chegar à frente com qualidade. A tendência, porém, é que ele volte a atuar nessa função contra o Talleres, ainda mais porque Hudson, expulso na partida de ida na Argentina, está suspenso.

Já Antony teve um bom primeiro tempo, mostrando personalidade e sendo o jogador mais incisivo do ataque são-paulino. O jovem, porém, oscilou demais dentro da partida e caiu de produção junto com o time na segunda etapa. No jogo de ida com o Talleres, a posição na ponta direita foi ocupada por Nenê, que teve atuação fraca contra a Ponte. Outra alternativa por ali é Helinho, mais um garoto, que também não tem jogado bem.

Tanto Jardine quanto Hernanes viram uma melhora na intensidade defensiva da equipe no jogo contra a Ponte, mas novamente o São Paulo não conseguiu passar 90 minutos sem levar gols. O time de Campinas vazou a meta de Tiago Volpi já na reta final da partida, em lance de cobrança de escanteio que teve vacilo da defesa e do goleiro. Se o Talleres fizer um gol no Morumbi na quarta-feira, o Tricolor terá que marcar quatro.

Já pressionado pelos resultados ruins no início de ano, Jardine admitiu que o time precisará reagir de qualquer forma contra o Talleres. O treinador pode promover o retorno de três jogadores que foram poupados diante da Ponte: o lateral Bruno Peres, o volante Jucilei e o atacante Pablo. Os dois primeiros tiveram suas atuações criticadas na derrota na Argentina.

“É o momento de todos, direção, comissão, jogadores e a torcida, virar a página. Estamos passando por um momento difícil, mas na quarta-feira temos todos que unir forças e puxar a corda para o mesmo lado. O São Paulo como clube precisa de mobilização total, é o retorno ao nosso estádio, vai ser atmosfera completamente diferente do que foi hoje. O time vai entrar aguerrido, concentrado, e vamos fazer nossa melhor partida do ano, não tenho dúvida”, disse Jardine.