Cuca revela choro de Liziero e diz que Antony atuou debilitado

911

GazetaEsportiva.net

José Victor Ligero

O corte de Liziero foi a grande surpresa antes da primeira final do Campeonato Paulista, neste domingo, no Morumbi. Com uma lesão na coxa, o volante até acompanhou a delegação do São Paulo ao estádio e fez um teste no vestiário, mas acabou de fora do empate por 0 a 0 com o Corinthians.

Em entrevista coletiva, o técnico Cuca disse que o meio-campista chorou após sofrer lesão durante o treino do último sábado e que sua presença no jogo de volta depende do resultado do exame a ser feito pelo jogador nesta segunda-feira.

“Ontem, quando falei com ele, vinha às lágrimas, porque infelizmente estava impossibilitado. Depende do resultado do exame. Ele tem alguma coisa. Ele é um guerreiro. Ontem, quando falei com ele, vinha às lágrimas, porque infelizmente estava impossibilitado”, declarou o treinador.

Sem Liziero à disposição, Cuca improvisou o meia-atacante Everton como segundo volante e colocou Gonzalo Carneiro como referência na área. Assim, o São Paulo criou as melhores chances da partida, mas não conseguiu furar o bloqueio alvinegro.

“O Liziero sentiu a lesão ontem, no treino. Tenho 24 horas, tenho que esperar, não tem como fazer um exame. A gente esperou até o último momento, e pude trabalhar um pouco essa formação. Muitos vão questionar por que entrei com o Everton e não com o Hernanes. Ele não tem condição. Quarenta e cinco [minutos] seria o limite total, e seria até demais. Corremos esse risco”, explicou.

Quem também não passou bem antes do jogo foi Antony. Sem realizar os mesmos lances de efeito das últimas partidas, o jovem atacante não se sentiu bem antes do Majestoso e atuou debilitado, segundo Cuca.“O Antony é um dos mais importantes, se não o mais importante, na criação, e ele não estava bem, estava com fraqueza. Estava na dúvida entre continuar ou tirar. Ele jogou debilitado, infelizmente. Ele foi abaixo da expectativa, mas normal”, afirmou o treinador, que vê um eventual problema emocional como possível razão para o mal-estar do atleta.

“É muito do jogador. Tem que ver a alimentação, o estresse, o emocional. Ele é um torcedor de arquibancada e estava no maior jogo da vida dele. Certamente serviu como parâmetro para a vida dele”, concluiu.