Febre Tricolor – Melhora defensiva

142
Rodrigo Caio sobe de patamar após Olimpíadas 2016
Rodrigo Caio sobe de patamar após Olimpíadas 2016

Quando Patón chegou ao São Paulo no início de janeiro detectou um número elevado de gols sofridos pelo sistema defensivo do clube. Tomou como parâmetro os handicaps apontados no Brasileirão 2015 para justificar a necessidade de uma melhoria defensiva em vistas a atingir o equilíbrio necessário. Somente sopesando a balança é que o Tricolor voltaria a encontrar o caminho dos títulos, conforme previu o treinador argentino. O resultado do trabalho começa aparecer na competição nacional deste ano, cuja equipe desponta como a quarta melhor defesa.

O São Paulo só sofreu mais gols que Atlético-PR (23) e os líderes Flamengo e Palmeiras (25, cada). Está empatado com outras equipes que apresentam sistemas defensivos sólidos, como Santos e Corinthians (26). Do 9º ao 20º colocado, o Tricolor é o que tem a melhor defesa. Ainda não se sabe os números refletem a coletividade e equilíbrio encontrados no setor, ou altos investimentos e talentos individuais que têm dado conta do recado. Já apontei outras vezes que, ao meu ver, o Tricolor tem a melhor defesa no papel da América Latina.

Após a excelente participação de Rodrigo Caio nas Olimpíadas 2016, com a inédita medalha de ouro, o atleta voltou ao clube em outro patamar. Arrebentou na Seleção ao lado do excelente zagueiro Marquinhos (PSG). Na função para qual foi deslocado (quarto zagueiro), acabou com o fantasma do São Paulo do zagueiro canhoto. Se achava que o clube precisava ter um canhoto de qualquer jeito para resolver todos os problemas defensivos, e mostrou-se que não. Um lateral esquerdo consistente e marcador implacável, como Eugênio Mena, auxiliou em tornar a defesa esquerda do São Paulo forte. A produção do jogador é incrível mesmo ofensivamente, por não desistir de nenhuma bola, e seu auge se deu durante a Copa Libertadores.

Na defesa central o São Paulo investiu pesado: 6 milhões de euros. Repatriou Maicon ao Brasil definitivamente por entendê-lo como potencial ídolo de acordo com a premissa torcedor/consumidor que se deu no recente plano de marketing do clube. A ofensiva do Sócio-Torcedor esse ano e a profissionalização de suas ações fazem parte desse pesado investimento. Por outro lado, o atual capitão sãopaulino de fato fez partidas deslumbrantes durante todo o ano. Inclusive em jogos pesados, como no último empate de 1 a 1 contra o Corinthians, e na derrota de 2 a 1 diante do Galo, quando fez o gol que levou o Tricolor às semifinais da Libertadores. Outro investimento pesado se deu com a chegada de Julio Buffarini, mais três milhões de euros, para ter o lateral que se destaca também ofensivamente e defensivamente.

Publicidade

A perspectiva de futuro para a defesa do São Paulo é boa. A manutenção de um sistema com esses quatro atletas pelo treinador Ricardo Gomes; o amadurecimento de Lyanco e Matheus Reis, entrada de Bruno quando há necessidade, vai ajudar a reforçar a qualidade do setor. Mas o que fará o Tricolor se tornar uma equipe dura de vencer será o crescimento do ataque e do coletivo de modo geral; isso vai fazer também com que a defesa sofra menos e qualifique ainda mais os seus números.

Rodada decisiva

O discurso tem sido repetitivo, mas estamos diante hoje de outra rodada decisiva. Equipes como Sport e Coritiba encostaram, com 33 pontos. O São Paulo tem um confronto direto fora de casa contra o Vitória, e precisará somar pontos para continuar na caminhada de escapar do rebaixamento. É momento de ser digerida a eliminação “precoce” da Copa do Brasil, diante do Juventude. E saber que foi confirmada uma suspeita sobre o ano de 2016: seria um período difícil com a aposentadoria de Rogério Ceni e saída de bons jogadores de frente como Luís Fabiano e Pato. A previsão de momentos difíceis já era apontada pela diretoria, e o plus da temporada realmente fora a chegada às semifinais da Libertadores. Daqui pra frente é preciso qualificar o desempenho para voltar ao torneio continental o mais rápido possível, provavelmente em 2018.

Contato:

@RealVelame ou [email protected]

Alexandre Velame é Jornalista e Advogado, são-paulino há quase três décadas e usuário da SPNet desde 1997. Escreve nesse espaço aos domingos.

ATENÇÃO: O conteúdo dessa coluna é de total responsabilidade de seu autor, sendo que as opiniões expressadas não representam necessariamente a posição dos proprietários da SPNet ou de sua equipe de colaboradores.