Além das 4 linhas – O exemplo

475

A gente tem que aprender com nossas derrotas e vitórias e também aprender com as derrotas e vitórias dos outros.  Os resultados obtidos pelo Flamengo não foram por acaso, eles fazem parte de um planejamento de 7 anos. Vejam bem, foram 7 anos escutando piadas de que o clube contratava e nada ganhava. Isso não fez o clube mudar o rumo, ao contrário, fez apenas os cariocas repensarem e aperfeiçoarem métodos. 

Uma empresa que planeja alcançar resultados de alto nível não pode contar com profissionais de nível médio, deve procurar profissionais de alto nível para todas as atividades. Bom lembrar que praticamente o mesmo elenco que tem o Jesus no Flamengo estava sendo treinado pelo Abel Braga sem obter bons resultados. Eu gosto sempre de me lembrar das 12 grandes conquistas do SPFC e analisar as razões delas terem acontecido. O SPFC nunca ganhou coisa boa sem grande time e treinador. Eu gosto do time atual do SPFC, apesar das constantes decepções com Hernanes, Pato, Everton e Pablo. Acho que este elenco em forma, com vontade de jogar e bem treinado pode ganhar coisas importantes. Mas não será o Diniz, um cara que nunca ganhou nada,  que vai transformar este elenco num time vencedor. Disso eu sei bem antes dele chegar.

Analisando vejo que o Flamengo não tem um único jogador revelado na base no time titular, apenas jogadores vindos de fora que ainda estão com vontade de jogar futebol. Acho isso interessante. Eles fazem dinheiro da molecada e contratam jogadores com rodagem. Estamos vendo que isso também pode funcionar. A verdade é que não existe uma receita única para a vitória. Mas algumas coisas sempre estarão presentes e um bom treinador, um bom diretor, um bom presidente, um bom elenco, um ambiente propício à vitórias e outras coisas sempre estarão no bolo e o SPFC tem pouco destas coisas.

O que a gente tem visto no clube nos últimos anos é justamente o contrário do que deveria estar acontecendo, caso o clube e sua direção quisessem, de fato, vencer. Mas trocando de treinador 3 vezes o ano passado e 4 vezes neste ano não vamos a  lugar nenhum. Além de trocas em número elevado, os nomes escolhidos não são de profissionais do tamanho do clube, ou seja, um clube grande cheio de conquistas que deveria ser treinado por um cara também cheio de conquistas importantes. O presidente da Coca-Cola ralou muito em cargos menores antes de conseguir chegar ao cargo atual, este é o princípio. O coitado do Diniz é muito mais criticado do que elogiado e mesmo assim já conseguiu ser treinador do clube mais vitorioso da história do nosso futebol. Isso não está certo. Só por isso já desqualifico a atual direção do SPFC, por fazer mais uma má escolha. Mas não adianta crucificar o Raí como querem alguns apenas para livrar as suas peles. O maior culpado é o presidente, que é ausente e fraco. Mas o Autuori acaba de deixar o Santos e é bom nome para trabalhar no clube, assim como seria Muricy.

Agora estamos em plena época de planejar o ano de 2020. Os demais clubes estão ou deveriam estar conversando com treinadores, empresários e jogadores visando a pré- temporada e depois toda a temporada do próximo ano. O SPFC está ainda bancando o atual treinador. Eu sonho com um grande treinador que, para mim, é o primeiro passo para o sucesso. Meu sonho de consumo é o Gallardo atual treinador do River Plate. Confesso que não penso em nenhum treinador brasileiro. Eu já citei mais uma vez aqui neste espaço, mas acho sempre bom citar o ótimo livro do Maurício Noriega sobre os 11 melhores treinadores da história do futebol brasileiro. É uma lista fraca composta em sua maioria por gente que nunca conquistou uma libertadores.  O Sampaoli é bom nome, mas junto com Autuori de diretor estão na mira do Crefisa futebol clube e com eles acho que não podemos concorrer neste nosso triste momento por várias e importantes razões.

O fato meus amigos, para finalizar, é que o futebol é uma atividade dinâmica e que vem sofrendo mudanças importantes. Talvez a mais importante, e que eu reprovo, seja a drástica diminuição no tamanho dos gramados. Eu vejo o esporte hoje muito diferente do que era há bem pouco tempo atrás. Eu vejo a técnica continuar a ser importante, mas vejo a tática e o forte preparo físico serem cada vez mais importantes neste esporte. Confesso que em alguns momentos acho o jogo futebol uma coisa chata, simplesmente pela falta de espaço em campo. Mas isso é assunto para outro dia, hoje estou muito preocupado com o presente e com o futuro do SPFC. Aliás, futuro que já chegou e o clube não mudou.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes