Além das 4 linhas – O jogo

162

No jogo contra o Ceará pela Sula vi o SPFC muito bem marcado pelo adversário e vi alguns jogadores abaixo do que podem, casos de Nestor, Gomes e Luciano. O Reinaldo faz falta pela esquerda, pois quando ele joga tem Rafinha armando pela direita, e ele pela esquerda, e com estas ausências, a armação recai sobre os 3 citados, que estão visivelmente cansados. Luciano deixou a partida contra o América com dores, lembram?

Nestor e Gomes são jogadores com potencial, não são jogadores diferenciados, é bom que se diga, já Sara tem mais potencial, por isso foi vendido primeiro, mas mesmo assim, para um clube da segunda divisão da Inglaterra. O ponto chave, em minha modesta opinião, é que estes dois jogam em quase todas as partidas para ficarem na vitrine e serem vendidos para salvar o clube, e jogam também por falta de opção no banco. Gomes e Nestor aparecem muito pouco para finalizar também, faziam mais isso, um grave defeito que Sara não tinha, pois este sempre fazia seus gols. O meio de campo é o lugar onde se ganha os jogos, é setor vital para um time de futebol. Se Galoppo tiver o futebol que falam, jogará de titular como segundo volante, e haverá Nestor para o rodízio com ele, mas para fazer rodízio com Gomes não há opção, o elenco ainda não está completo, já que Nikão, Alisson e Patrick são meias atacantes, não de armação, de pensar o jogo, como Arrascaeta por exemplo. O primeiro volante, para jogar com três na zaga, pode ser o Gabriel ou o Luan, depende do jogo e do adversário. O Pablo Maia é opção. Tudo isso imaginando o time jogando no sistema de hoje, claro, pois se RC quiser voltar ao 4.1.3.2 o pensamento é outro.

De todo modo, o time fez a lição de casa de forma mínima nas duas copas, corre riscos nos jogos de volta, e em minha opinião, assim como foram os jogos no Morumbi, serão jogos iguais em bons estádios, onde o SPFC terá como fazer seu jogo, mas estou apreensivo. O treinador terá que poupar jogadores nos jogos de fim de semana para o time estar bem nas decisões, não há opção, ou seja, a campanha no nacional tende a piorar.

Publicidade

Eu, não sei se estou certo ou errado, venho pensando desde o ano passado, quando Muricy voltou, quando também trocou a diretoria toda e com novo presidente, que há um projeto de reconstrução do clube, apesar de não conhecer o interior da administração, conhecer apenas o lado de fora que todo torcedor conhece, mas vejo melhora em todos os aspectos. Uma nova gestão, com o clube cheio de dívidas, não iria chegar e resolver tudo de uma hora para outra, iria aos poucos arrumando a casa, e parece que isso está acontecendo. Vejo a torcida lotando o Morumbi em todo jogo, dando demonstração de apoio e dando dinheiro ao clube para este poder se recuperar. Só no jogo de ontem foram R$ 3 milhões de renda.

O SPFC deu um pequeno salto, isso é inegável, pois estou aqui falando de jogos muito importantes que apenas 8 clubes estão disputando em cada copa, isso não é pouco se levarmos em conta o lugar que o SPFC foi parar graças às péssimos gestões. Mas queremos mais, eu imagino, queremos o clube passando de fase e indo para as cabeças. Pode acontecer de mais duas novas peças chegarem, e pode acontecer de em breve os lesionados voltarem, e isso tudo somado poderá levar o elenco a ter um salto de qualidade o que ajudará muito nas próximas e decisivas partidas. O novo goleiro passa mais confiança do que o Thiago Couto, isso foi importante. Galoppo vai aos poucos cavando seu lugar. Falta a dupla Nahuel chegar e conquistar seus espaços.

Infelizmente será aos poucos, mas está havendo crescimento do clube como um todo. Hoje não se fala mais da forma negativa que falavam do SPFC.

Discordo da avaliação de alguns de que o SPFC tem que ganhar agora, na verdade vejo um projeto de médio e longo prazos, que acabou prejudicado no presente pela enorme quantidade de lesões, como no ano passado, e não sei dizer se isso está ligado aos também enormes problemas nas áreas de preparação e recuperação de atletas. O poço é fundo! Vamos com calma e seguir apoiando, acreditando que existe um trabalho de recuperação. Por enquanto não vejo grandes besteiras que me façam duvidar.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes