Além das 4 linhas – A força da grana

261

A temporada começou muito bem dentro de campo para o SPFC e o título paulista sobre o principal concorrente foi animador. Na verdade, era tudo o que o clube precisava para dar vida nova ao departamento de futebol. Mas como sabemos, o sacrifício realizado pelos atletas, que abriram mão das férias, fez o resto da temporada ser bem mais complicado.

Publicidade

Ficou claro a todos que os atletas não conseguiram mais render o que rendiam. Aos poucos quase todos foram parar no departamento médico. Alguns até mais de uma vez. O Crespo não conseguia dar um padrão de jogo ao time por conta da falta de preparo físico. Esta realidade foi continuando até as eliminações das copas Libertadores e do Brasil. No BR21 o time sempre foi muito mal, talvez até por escolha, coisa que nunca li, mas desconfio. Quando a diretoria percebeu que a Libertadores 2022 iria para o saco do lixo, começou a cobrar o que os caras já não podiam dar. Uma drástica decisão foi tomada: Dispensaram o Crespo, um treinador de nova geração e moderno para contratar outro treinador da nova geração e moderno, só que ídolo dos atletas. A diretoria deve ter pensado: É a pessoa certa para dar ânimo a todos e o clube disputar a próxima edição do torneio mais cobiçado da América.

Só que em campo o ânimo inicial foi dando lugar ao mesmo problema: O time cai muito no segundo tempo e os jogos ficam difíceis demais. Rogério conseguiu dar um futebol um pouco melhor, talvez por conhecer o grupo, talvez por mais rodagem, talvez por ter um estilo de jogo que ajudou….não sei bem o que foi, mas está na cara que o time não corresponde. Não podemos dizer em falta de qualidade, afinal este time jogou o melhor futebol do paulista e depois morreu por razões que sabemos.

Por força da grana que o clube recebe na Libertadores o desespero bateu na diretoria e tudo começou a ser planejado em função disso. Aquele plano de manter treinador e com isso a direção do trabalho, morreu. Um novo trabalho começou, o terceiro em 2021, e o ano de 22 ainda não está no radar. Nada se sabe por conta da grana.

O futebol mudou e hoje os clubes são mais organizados mesmo no Brasil. Ir para a Libertadores para o SPFC é só questão financeira, não esportiva. Os clubes que estão há anos num trabalho sério possuem muitas vantagens que o SPFC ainda não tem. Quer dizer, não sabemos se um dia terá, pois tudo vai depender da organização. O plano por hora é dar ao lado financeiro uma cara melhor. Em paralelo vão dando ao futebol o que a falta de recursos pode fazer. Este é o atual SPFC sem firulas.

O que se sabe da temporada 2022 é que muitos atletas sairão e que as categorias de base darão ao time as vagas abertas. Há também possibilidades de trocas envolvendo Pablo e Tchê Tchê. Os casos de Victor Bueno, Willian, Rodrigo, Rojas e o paraguaio Galeano ponta que virou lateral devem ser de dispensa. Benitez se não tiver o empréstimo prorrogado será também dispensado, já que em campo não tem feito a diferença. O gol de falta não deve pesar na análise, afinal, ele é muito bem pago para armar o time em todo jogo, e isso não vem fazendo.

Na verdade senhores, o momento é de arrumar a casa e se der, beliscar alguma coisa. Esta coisa vai permanecer por alguns anos segundo o próprio Muricy já declarou com todas as letras. Penso que devemos apoiar a realidade e torcer para o clube em breve ser uma empresa de futebol e não um clube que tem um departamento de futebol onde os sócios metem o bedelho o dia todo.

Salve o tricolor paulista, o clube da fé.

Carlito Sampaio Góes